Banco de Documentos Processuais

Choque de Ordem

Processômetro

Fale com a Presidência do Tribunal

Dê a sua opinião sobre o site

Plantão Judiciário

Ouvidoria

Licitações e Compras

EJUD - Escola Judicial

Biblioteca

Gestão Estratégica


Redes Sociais
Consulta de Processos
Formato:
Número do processo:
   
 
Manual de Direitos do Empregado e Empregador
Veja aqui o Manual do Jurisdicionado em formato PDF
Perguntas frequentes:
Respostas:
Quais são os meus direitos em relação ao emprego?
 
Dentre os direitos do empregado, destacamos:
Anotação na CTPS: A anotação na carteira é obrigatória e seu não cumprimento pode ocasionar a assinatura
do documento pela Vara do Trabalho, notificação às autoridades competentes e inclusive a prisão
do patrão.
Salário: O empregado tem direito a seu salário, nunca inferior ao mínimo legal, que deve ser pago até o
quinto dia do mês subseqüente ao vencido. O salário não pode ser reduzido a não ser por convenção ou
acordo coletivo. Só podem ser efetuados descontos no salário com expressa autorização do empregado.
Férias: As férias são adquiridas após 12 meses de trabalho e deverão ser pagas nos doze meses subseqüentes
à aquisição, sob pena de pagamento em dobro. As férias devem ser pagas sempre com 1/3 de
acréscimo.
Décimo Terceiro: O décimo terceiro é pago em duas etapas. A primeira, correspondente a 50% do seu
valor total, deve ser paga até o dia 30 de novembro, ou por ocasião das férias, se assim for requerido
pelo empregado em janeiro. O restante do valor será pago numa segunda etapa até o dia 20 de dezembro.
FGTS: O patrão deverá também recolher o FGTS na conta vinculada do empregado, num montante de
8% de sua remuneração.
Intervalo: Se trabalhar mais de seis horas diárias deve ser concedida no mínimo uma hora para almoço,
sob pena de pagamento de indenização correspondente. Para trabalho de quatro a seis horas, o intervalo
deve ser de no minimo quinze minutos.
Horas Extras: Se o empregado trabalhar horas extras, receberá as mesmas com um adicional de pelo
menos 50% do valor da hora normal. Se o trabalho for realizado em domingo ou feriado e não houver
outro dia de folga, o adicional será de 100%.
Adicional Noturno: O empregado que trabalha em horário noturno (assim considerado das 22h às 05h),
terá direito ao adicional de pelo menos 20%. Para o trabalhador rural o adicional é de 25% ( na agricultura
o horário noturno é das 21h as 5h, e na pecuária das 20h as 4h ).
Texto Modificado
Adicional de Insalubridade: Corresponde a um valor entre 10 e 40% do salário mínimo para aqueles
que trabalham em ambiente que pode causar danos à saúde. A existência desse dano e o grau de intensidade,
que serve para o cálculo do adicional, são avaliados por peritos.
Adicional de Periculosidade: Corresponde a 30% do valor salário e é devido quando o empregado trabalha
com combustível, explosivos, inflamáveis ou eletricidade.
Verbas Rescisórias: Se o empregado for demitido sem motivo, o empregador deverá conceder-lhe o
aviso prévio ou pagar a indenização correspondente em dinheiro e ainda fazer a entrega das guias do
FGTS, devendo-lhe mais 40% sobre o valor dos depósitos já corrigidos monetariamente. Deve pagar as
férias vencidas e proporcionais com 1/3 de acréscimo. Igualmente deverá pagar o 13º vencido e proporcional.
Se houver trabalhado por período de ao menos seis meses, o empregado também deve receber as
guias do seguro-desemprego, o que lhe dará direito a uma remuneração enquanto ficar desempregado
pelo prazo máximo de cinco meses, proporcional ao tempo de serviço.
O empregador tem os seguintes prazos para o pagamento das verbas de rescisão:
até o 1º dia útil imediato ao término do contrato;
até o 10º dia contado da data da demissão quando da ausência do aviso prévio, indenização do
mesmo ou dispensa do seu cumprimento.
O descumprimento desse prazos pode ocasionar a multa correspondente ao valor de um salário do trabalhador.
Estabilidade: Não podem ser demitidos, a não ser que a contratação tenha sido por prazo determinado
ou por experiência, ocorra a extinção da empresa, por motivo de força maior, ou por cometimento de falta
grave, os empregados que estiverem nas seguintes situações:
- gestante: desde a concepção até 5 meses após o parto;
- o membro da CIPA, da Comissão de Conciliação Prévia, dirigente de cooperativa e o dirigente
sindical: desde a eleição até um ano após o término do mandato;
- que tiver sofrido acidente de trabalho: no ano seguinte ao término do auxílio-doença acidentário.
Licenças Paternidade: em caso de nascimento de filho o empregado terá direito a cinco dias de licença,
sem prejuízo da remuneração.
Licença Maternidade: a empregada gestante tem direito a 120 dias de licença, sem prejuízo do salário.
Licença Adotante: o prazo depende da idade da criança adotada.
Até 1 (um) ano de idade: 120 dias
De 1 (um) a 4 (quatro) anos: 60 dias
De 4 (quatro) a 8 (oito) anos: 30 dias
Vale Transporte: o empregador deve fornecer vales-transporte ao empregado, que necessite utilizar-se
de transporte público para deslocar-se até o emprego, podendo aquele descontar deste até 6% do valor do
benefício.

Topo
E a previdência?
 
Sindicato a que é associado;
Advogados ou Estagiários das Faculdades de Direito;
Apresentar sua reclamação diretamente à justiça, por escrito, sem a assistência de um advogado;
Dirigir-se pessoalmente à uma vara trabalhista, onde sua reclamação verbal será reduzida a termo,
que significa dizer que alguém colocará seu caso por escrito para poder formar o processo.
Os advogados de sindicatos e estagiários das faculdades de direito não devem cobrar pelos serviços prestados.
Mesmo podendo apresentar-se sozinho, é sempre aconselhável que o empregado procure um advogado.
Esse profissional possui maior intimidade com a atuação judiciária e todas as técnicas que envolvem a
defesa de interesses em juízo. A participação de um advogado pode ser fundamental para o bom resultado
da causa.
Em qualquer desses casos é importante ter consigo os documentos pessoais, carteira de trabalho e outros
referentes ao contrato de emprego, como recibos de pagamento, termo de rescisão, etc.
Em caso de perda, o empregado que não conta com o benefício da justiça gratuita pagará as custas
processuais, que são taxas cobradas pelos serviços da Justiça do Trabalho. Para ter o benefício basta
declarar, sob as penas da lei, que não tem condições de pagá-las sem prejuízo do próprio sustento ou de
sua família.

Topo
Como o advogado vai me cobrar?
 
O advogado cobrará conforme for combinado previamente. Em geral, os advogados que trabalham para o
empregado cobram ao final da causa, dependendo do resultado. Os valores variam de 20 a 30%.
O advogado tem o dever de diligência na condução de seu processo, caso cometa alguma falha na defesa
de seus interesses, ocasionando-lhe prejuízos, o advogado poderá ser acionado por meio de representação
junto à OAB, ou na Justiça Comum, para reparação dos danos causados.

Topo
Quanto tempo vai demorar a ação trabalhista?
 
Uma ação trabalhista pode levar algum tempo para ser solucionada, depende do valor da causa, da Vara
em que cair, da existência de recurso etc.
Na primeira audiência, é perguntado se há interesse em se fazer um acordo, em caso afirmativo o processo
já é encerrado.
Se não houver acordo toma-se a defesa e passa-se à instrução, que é coleta de depoimentos das partes e
das testemunhas. Pode haver perícia técnica em casos de insalubridade ou periculosidade, bem como perícia
contábil, antes do julgamento.
Em Mato Grosso, o prazo médio de para o julgamento nas varas é atualmente de mais ou menos 65 dias.
Se houver recursos, a ação será novamente julgada, dessa vez por um grupo de juízes reunidos no Tribunal
Regional.
Em alguns casos os recursos nos processos podem chegar ao Tribunal Superior do Trabalho, sediado em
Brasília.
Quando não há recursos, ou já foram todos julgados, o processo entra fase de execução, que é quando
ocorre o pagamento.
Se o réu não pagar voluntariamente, o juiz forçará a execução da condenação. Podem ser necessárias
novas perícias. Tudo depende da orientação do juiz e do tipo de ação.

Topo
Onde eu posso obter informações sobre meu processo?
 
O melhor modo de se informar sobre o andamento de um processo é obter de seu advogado um posicionamento
do feito. Ele é obrigado a acompanhar o processo e informar-lhe o correto andamento, e, inclusive,
fornecer outras informações que a parte desejar.
O interessado poderá consultar diretamente o andamento do processo pela Internet, no endereço
www.trt23.gov.br
ou dirigir-se pessoalmente a uma das Varas do Trabalho da 23ª Região, e lá obter as
informações do processo que deseja acompanhar.
A parte pode procurar informações diretamente no balcão da Vara onde o processo está em curso, no balcão
de informações localizado na portaria do TRT, ou em um dos terminais de extrato informatizados.
Os terminais de extrato fazem parte de um sistema informatizado especialmente desenvolvido pela maioria
dos TRTs inspirado nos terminais de informação de bancos (o terminal é muito parecido), e, ao digitar
os dados do processo, o interessado terá os últimos andamentos do mesmo.







Topo
O que são as Comissões de Conciliação Prévia?
 
Nas empresas ou nos sindicatos, podem ser criadas comissões com representantes dos empregados e empregadores
para tentar conciliar os conflitos que ocorrerem durante ou após o término do contrato, antes
da causa ser levada à justiça. O empregado nunca pode ser obrigado a fazer o acordo, mas, se fizer, o
termo será levado à homologação do juiz e aquelas questões serão consideradas já solucionadas, passíveis
de execução judicial caso seja descumprido o acordo.

Topo
Como proceder a fim de evitar ações trabalhistas?
 
Para se evitar reclamações trabalhistas, o empregador deverá cumprir estritamente a legislação trabalhista
vigente. Para tanto, recomenda-se sempre ao empregador dispor de um advogado especializado na área
para consultar as dúvidas que tiver, principalmente aquele que explora atividade econômica. Uma boa
orientação jurídica certamente previne muitas reclamações trabalhistas.
Por outro lado, o empregador nunca deve buscar manobras ou artifícios que visem a sonegar direitos trabalhistas
diretos ou indiretos. Práticas comuns como admitir empregado sem registro em Carteira de Trabalho,
ainda que por pouco tempo, pagar salários "por fora" lesando o fisco e a previdência; pagar salários
com notas "frias", emitir recibos em branco, etc., são fraudes facilmente desmascaradas na Justiça do
Trabalho, a ainda podem importar em desdobramentos administrativos (pesadas multas, além dos recolhimentos
com juros, correção monetária, acrescidas das multas previstas em lei para recolhimentos em
atraso), e, não raro, de sérios envolvimentos criminais, principalmente nas últimas hipóteses. A lei não
pode amparar o mau empregador.
O empregador, se não estiver contente com seu empregado, deve antes de despedi-lo imotivadamente ou
tomar qualquer outra atitude, conversar abertamente com ele. A falta do diálogo patrão-empregado desencadeia
muitas reclamações trabalhistas. Ambientes de trabalho sem qualquer oportunidade de discussão
dos problemas existentes, acabam desafogando em reclamações trabalhistas, com nítido tom de desforra
mais que de reivindicação de direitos propriamente. Certamente, muitos destes litígios poderiam ser evitados
se as questões levadas a Juízo fossem discutidas durante o contrato de trabalho. E, para tanto, o
empregador sempre terá de ouvir as queixas que os empregados apresentam, e discutir, sem qualquer
temor, sua procedência ou não. O diálogo e a franca discussão dos problemas são parte do espírito democrático
e mostram-se os melhores meios de solver os conflitos trabalhistas em sua raiz.
Outro mecanismo que pode ser utilizado é a negociação com os sindicatos para flexibilização de alguns
direitos que estiverem tornando-se extremamente onerosos.
O conjunto destas providências não evitará totalmente reclamações trabalhistas, todavia certamente poderá
amenizar a maior parte delas.

Topo
Quais os encargos que o patrão deve pagar mensalmente ?
 
Tipo de Contribuição % sobre a folha de salários
Previdência Social 20%
FGTS 8% (no caso de despedida sem justa causa deverá depositar
mais 40% sobre o saldo existente na conta vinculada)
Seguro de Acidente de Trabalho De 1a 3% dependendo do risco de trabalho
Salário Educação 2,5%
Entidades de Serviço Social De 0,6 a 1,5 %
INCRA 0,2 %

Topo
Fui acionado, e agora?
 
Ao receber uma reclamação trabalhista, procure imediatamente um advogado ou estagiários nas faculdades
de direito. Certas providências dentro do processo contam prazo imediatamente após o recebimento
da notificação inicial (o prazo para apresentação da defesa é em geral de 5 dias) e seu advogado saberá
tomar as medidas necessárias.
Apesar de, no processo trabalhista, a parte poder se defender sem o auxílio de advogado, a defesa dos
interesses por este profissional se mostra a mais adequada e inteligente alternativa para um patrão acionado.
O advogado possui maior intimidade com a atuação judiciária e todas as técnicas que envolvem a
defesa de interesses em Juízo.
Na notificação inicial consta a convocação para uma audiência designada para determinada data, num
respectivo endereço. Não deixe de comparecer munido de defesa escrita, apesar da defesa oral ser permitida,
e dos documentos necessários para a comprovação de suas alegações. A lei afirma categoricamente
que a ausência do empregador na audiência acarreta revelia, que é a falta de defesa, e tudo o que foi dito
pelo ex-empregado na reclamação inicial passa a ser verdade (pena de confissão), o que pode significar
uma condenação certa e, em alguns casos, passa a ser verdade aquilo que você sabe que não é.
É necessário muito cuidado ao nomear um preposto para representá-lo em audiência. O preposto deve ser
empregado da empresa e saber dos fatos que estarão sendo discutidos, caso contrário poderá ser aplicada
a pena de confissão.
Por mais que uma reclamação lhe traga um dissabor, e isso é natural, pois ninguém gosta de ser chamado
em juízo, jamais deixe de pensar em uma possibilidade de acordo. Compor-se amigavelmente é uma solução
prática e inteligente para qualquer questão trabalhista, principalmente porque pode implicar em uma
significativa redução de custos. Muitas vezes, o custo de manutenção de um processo trabalhista é maior
que a própria condenação acrescida de seus encargos habituais.
Ninguém é obrigado a fazer um acordo, mas se o Juiz da Vara Trabalhista recomendar uma composição
amigável, ele certamente saberá dos riscos que poderão implicar uma condenação. Expressões como "só
sobre meu cadáver faço acordo" demonstram imaturidade do empregador e podem acarretar maiores custos,
além de outras implicações.
Protelar um processo trabalhista não é bom negócio, pois, com a inflação estabilizada, além da correção
monetária incidente, os débitos trabalhistas sofrem a incidência de juros contados da data de proposição
da reclamação até seu efetivo pagamento, à base da taxa de 1% ao mês e 12% ao ano. Em processos mais
prolongados, somente os juros podem encarecer 50% ou mais sua dívida. Além disto, um acordo sempre é
mais barato que uma condenação.

Topo
Como eu deverei pagar o meu advogado?
 
Existem várias formas de se pagar um advogado. Desde um valor fixo pela defesa de seus interesses até o
pagamento por hora trabalhada.
Sempre será importante o empregador celebrar um contrato prévio e por escrito de honorários com o advogado
antes de outorgar a este procuração para a defesa de seus interesses. O advogado tem o dever de
diligência na condução de seu processo, e caso o advogado cometa alguma falha na defesa de seus interesses,
ocasionando-lhe prejuízos, o advogado poderá ser acionado por meio de representação na OAB,
ou na Justiça Comum, para reparação dos danos causados.

Topo
Quanto tempo vai levar até o final da ação?
 
A duração de uma ação trabalhista depende muito da matéria envolvida, além de outros fatores.
Questões como insalubridade, diferenças de comissões, ou até falsidade de documentos, dependem de um
tempo maior, pois pessoas estranhas ao processo (peritos) deverão dar opinião sobre as alegações feitas
pelas partes.
Outras questões mais simples dependem somente de provas em audiência (depoimentos pessoais e oitiva
de testemunhas), ou até delas prescindem, sendo certo que a soma de todos estes fatores determinam o
tempo que a solução irá demanda.
Na primeira audiência, é perguntado se há interesse em se fazer um acordo, em caso afirmativo o processo
já é encerrado.
Se não houver acordo toma-se a defesa e passa-se à instrução, que é coleta de depoimentos das partes e
das testemunhas. Pode haver perícia técnica em casos de insalubridade ou periculosidade, bem como perícia
contábil, antes do julgamento.
Em Mato Grosso, o prazo médio de para o julgamento nas varas é atualmente de mais ou menos 65 dias.
Se houver recursos, a ação será novamente julgada, dessa vez por um grupo de juízes reunidos no Tribunal
Regional.
Em alguns casos os recursos nos processos podem chegar ao Tribunal Superior do Trabalho, sediado em
Brasília.
Quando não há recursos, ou já foram todos julgados, o processo entra fase de execução, que é quando
ocorre o pagamento.
Se o réu não pagar voluntariamente, o juiz forçará a execução da condenação. Podem ser necessárias
novas perícias. Tudo depende da orientação do juiz e do tipo de ação.

Topo
Como obter informações sobre o processo em que sou réu?
 
O melhor modo de se informar sobre o andamento de um processo é obter de seu advogado um posicionamento
do feito. Ele é obrigado a acompanhar o processo e informar-lhe o correto andamento, e, inclusive,
fornecer outras informações que a parte desejar.
A parte poderá dirigir-se pessoalmente a uma das Varas do Trabalho da 23ª Região, e lá obter as informações
do processo que deseja acompanhar. A parte pode procurar diretamente no balcão da Vara onde o
processo está em curso ou em um dos terminais informatizados de verificação do andamento dos processos.
Trata-se do sistema informatizado especialmente desenvolvido pela maioria dos TRTs inspirado nos terminais
de informação de bancos (o terminal é muito parecido), e, ao digitar os dados do processo, o interessado
terá os últimos andamentos do mesmo.
O processo também pode ser acompanhado pela Internet na página do TRT:
TRT

Topo
O que são Comissões de Conciliação Prévia?
 
Nas empresas ou nos sindicatos, podem ser criadas comissões com representantes dos empregados e empregadores
para tentar conciliar os conflitos que ocorrerem durante ou após o término do contrato, antes
da causa ser levada à justiça. O empregado nunca pode ser obrigado a fazer o acordo, mas, se fizer, o
termo será levado à homologação do juiz e aquelas questões serão consideradas já solucionadas, passíveis
de execução judicial caso seja descumprido o acordo.

Topo
Quando e como recorrer à Justiça do Trabalho
 
Tanto o empregado quanto o empregador podem recorrer à Justiça do Trabalho sempre que se
sentirem prejudicados em seus direitos.
A Reclamação Trabalhista deve ser apresentada por escrito, com ou sem advogado ou através
do sindicato.
Pode-se também fazer uma Reclamação Verbal, ou seja, procurar pessoalmente uma Vara do
Trabalho e apresentar a Carteira de Trabalho ou outros documentos que permitam a análise da
questão, para atermar a reclamação, que significa dizer que alguém no Tribunal irá colocar o
caso por escrito para formar o processo.

Topo
Como caminha o processo trabalhista
 
1- Através da Diretoria de Serviço de Protocolo, a reclamação chega a uma das Varas Trabalhistas.
2- Na audiência inicial é proposto um acordo entre as partes. Havendo acordo o processo já termina.
3- Se não houver acordo é feita a instrução e o julgamento. É colhida a defesa, são ouvidas
testemunhas e/ou peritos e depois o juiz profere a sentença.
4- Da Sentença proferida pelo juiz da Vara cabe recurso ao TRT - 2ª Instância - onde o processo vai
ser examinado e julgado pelo Pleno, um colegiado composto de Juizes Togados.
5- Em algumas hipóteses, pode haver recurso da decisão dos juízes do TRT - denominada acórdão -
caso em que o processo segue para o TST.
6- Não cabendo mais recursos, o processo volta para a vara de origem, se for no interior, ou para a
SIEX, se na Capital, tendo início a fase de execução, quando serão feitos os cálculos finais para a
cobrança do débito da parte vencida, a fim de que se proceda ao pagamento à parte vencedora.

Topo
O Dissídio Coletivo
 
Algumas ações têm início já no Tribunal, como é o caso dos Dissídios Coletivos, que envolvem direitos
de grupos de trabalhadores reunidos em Sindicatos e Federações, e cujas decisões são estendidas
a toda a categoria profissional. Dissídio Coletivo é uma reclamação trabalhista a nível de Tribunal
onde o Sindicato dos empregados e o Sindicato dos empregadores buscam melhores condições de trabalho
que vão integrar o contrato de trabalho.

Topo
Documentos úteis em uma Reclamação Trabalhista
 
-Carteira de Trabalho, CPF, Carteira de Identidade
-Nome e endereço completo da Empresa em questão
-Contrato de Trabalho
-Rescisão do Contrato de Trabalho
-Aviso Prévio
-Recibos de pagamentos e, em caso de salário comissionado, bloco de pedido
-Documento sindical (acordo coletivo, convenção coletiva, etc) - obter junto ao Sindicato de Classe
-Comprovante do horário de trabalho (em caso de reclamação de horas extras e adicional noturno)
-Certidão de nascimento dos filhos menores de 14 anos (quando for reclamar salário-família)
-Empregados menores de 18 anos precisam estar acompanhados do pai ou mãe, com documento
de identidade.
-Em caso de falência da empresa, apresentar nome e endereço do síndico da massa falida.
Documentos e Testemunhas são importantes meios de prova das alegações feitas ao juiz. É com base nas
provas que o juiz julga, sem elas ele não poderá considerar como verdadeiras as afirmações do empregado
ou do empregador.

Topo
Informações nos Sindicatos
 
Se você está se sentindo prejudicado em seus direitos trabalhistas, procure orientação no seu Sindicato.
Informe-se sobre duração de jornada de trabalho, aviso-prévio, horas-extras e outras dúvidas que tiver,
antes de recorrer à Justiça do Trabalho. Na maioria dos Sindicatos há um Assessor jurídico que dá plantão
para tirar as dúvidas dos associados.

Topo
Diferença entre Justiça do Trabalho e Ministério do Trabalho e Ministério Público do Trabalho
 
Não confunda. Tratam-se de órgãos distintos:
O Ministério do Trabalho é órgão do Poder Executivo e cabe a ele, através das Delegacias Regionais do
Trabalho, fiscalizar o cumprimento das leis de proteção ao trabalho e prestar outros serviços como:
emitir a Carteira de Trabalho e conceder o seguro-desemprego. Sua atuação é espontânea.
O Ministério Público do Trabalho também é órgão do Ministério Publico Federal, em que atuam os
procuradores do trabalho, que podem: receber denúncias de desrespeito às leis do trabalho, representar
contra as empresas, emitir pareceres em processos perante os tribunais, inclusive nos conflitos coletivos
com a ocorrência de greve, dentre outros. O Ministério Público do Trabalho também intervém nos processos
onde há interesses de menores e de índios.
Já a Justiça do Trabalho é um órgão do Poder Judiciário, que procura conciliar ou julgar os conflitos
entre patrões e empregados, quando acionada por uma das partes.

Topo
Competência da Justiça do Trabalho
 
A Justiça do Trabalho é um ramo do Poder Judiciário que tem por finalidade dirimir as questões decorrentes
da relação de emprego, cuja competência é estabelecida no artigo 114 da Constituição Federal,
verbis :
"Art. 114. Compete à Justiça do Trabalho conciliar e julgar os dissídios individuais e coletivos entre
trabalhadores e empregadores, abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública
direta e indireta dos Municípios, do Distrito Federal, dos Estados e da União, e, na forma da lei, outras
controvérsias decorrentes da relação de trabalho, bem como os litígios que tenham origem no cumprimento
de suas próprias sentenças, inclusive coletivas.
§ 1º Frustrada a negociação coletiva, as partes poderão eleger árbitros.
§ 2º Recusando-se qualquer das partes à negociação ou à arbitragem, é facultado aos respectivos sindicatos
ajuizar dissídio coletivo, podendo a Justiça do Trabalho estabelecer normas e condições, respeitadas
as disposições convencionais e legais mínimas de proteção ao trabalho.
§ 3º Compete ainda à Justiça do Trabalho executar, de ofício, as contribuições sociais previstas no art.
195, I, a, e II, e seus acréscimos legais, decorrentes das sentenças que proferir."

O Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região tem, por sua vez, competência para decidir sobre as
questões trabalhistas ocorridas somente no âmbito do Estado de Mato Grosso que possui cinco Varas na
Capital e oito no interior (Alta Floresta, Barra do Garças, Cáceres, Colíder, Diamantino, Sinop, Rondonópolis
e Tangará da Serra).
As decisões proferidas pelo TRT-23ª Região, dependendo do tipo de processo que lhe é submetido, são
em primeira instância (nas Varas ou Tribunal) ou segunda instância (processos de competência originária
do Tribunal).
Nas localidades onde não existem Varas do Trabalho, e que não estejam sobre jurisdição destas, os Juízes
de Direito estão encarregados legalmente de conhecer e julgar as questões que envolvam as relações de
emprego (art. 668 da CLT).


Topo
 

 
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 23ª REGIÃO - MT / CNPJ: 37.115.425/0001-56
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 3355 - Centro Político e Administrativo - Cuiabá / MT - CEP: 78050-923 - Tel: (65)3648-4100
Horário de Funcionamento: Varas do Trabalho e Tribunal de segunda à sexta das 7:30h às 14:30h,
Protocolo da Capital de segunda à sexta das 7:30h às 17:30h. Exceto feriados.
Antes de imprimir, pense na sua responsabilidade ambiental. Menos papel, mais árvores!